Novembro/2012  |  nº 122  |   |  FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA
Em uma década, número de importadoras sobe 53% em SC

Na última década, Santa Catarina registrou rescimento de 53% no número de empresas importadoras atuando no Estado. O alto foi de 1.567 em 2001 para 2.411 no ano passado. Os dados estão na publicação Análise do Comércio Internacional Catarinense 2012", que a Federação das ndústrias (FIESC) lançou nesta quinta-feira (22), em Florianópolis. Enquanto o
número de importadoras registrou forte crescimento, a quantidade de empresas xportadoras se manteve praticamente constante no período, oscilando entre 1,4 mil e 1,6 mil companhias.

O crescimento da demanda interna e a apreciação cambial abriram oportunidades para a importação de mercadorias no Brasil, mostra a publicação. Mas em Santa Catarina outros fatores contribuíram para o crescimento das importações. Um deles foi a ampliação da infraestrutura portuária e o outro foi o programa de incentivos fiscais criado em 2007 pelo governo estadual, o Pró-Emprego, que concedeu redução da alíquota de ICMS para produtos importados via portos catarinenses, lembra o diretor de relações industriais da FIESC, Henry Quaresma.

"Espera-se que a publicação possa auxiliar as decisões das indústrias proporcionando melhores condições de competitividade em um ambiente cada vez mais desafiador. Ao mesmo tempo, a FIESC utilizará os principais resultados e conclusões do trabalho para buscar junto às entidades do comércio exterior brasileiro soluções para os entraves que vêm prejudicando o processo de internacionalização do setor produtivo catarinense", afirma o presidente da FIESC, Glauco José Côrte, na apresentação do documento.

Ao longo da década, as importações catarinenses, que em 2001 vinham predominantemente da União Europeia (34,5%) e do Mercosul (24,7%), passaram a ser lideradas pela Ásia (43%). "A evolução das importações está em sintonia com as tendências do comércio internacional do período. As compras externas realizadas por Santa Catarina não se destinam totalmente ao Estado, mas entram no Brasil pelos seus portos. Houve um grande aumento no volume de insumos para a indústria, máquinas e equipamentos, além de bens de consumo vindos de países asiáticos nos últimos anos para atender o mercado brasileiro", avalia Quaresma.

Com o substancial incremento de importadoras, as compras catarinenses no exterior cresceram 1.600% nos últimos dez anos. E a participação do Estado no total nacional passou de 1,5% em 2001 para 6,6% no ano passado. Esse quadro explica a perda de cinco posições na participação de Santa Catarina no total das exportações brasileiras. O Estado, que hoje é o 10º no ranking, respondia por 5,2% das vendas internacionais do País em 2001 e fechou 2011 com 3,5%.

O levantamento mostra que Santa Catarina manteve saldo positivo da balança comercial de 2001 a 2005. De 2006 a 2008, o Estado continuou registrando superávit, mas com valores em declínio. A partir de 2009 a diferença entre exportações em importações ficou negativa e em 2011 o saldo registrou déficit de US$ 5,8 bilhões.

A publicação também traz uma pesquisa com empresas de 17 setores industriais, sendo 33% de pequeno porte e 67% de médio e grande portes. Ela mostra que entre as barreiras internas à internacionalização estão as reduzidas economias de escala, o que torna os custos de produção elevados em relação aos concorrentes internacionais; obstáculos de acesso a canais de distribuição em outros países e dificuldades de formar parcerias internacionais. Entre as barreiras externas à internacionalização estão a acirrada concorrência internacional; política cambial desfavorável às exportações brasileiras e o elevado custo do transporte internacional.

Em relação à evolução das quantidades exportadas entre 2007 e 2011, 42% responderam que os volumes estão sendo reduzidos; 27% que estão se mantendo estáveis e 22% têm registrado aumento parcial. "Os dados refletem o acirramento da disputa no mercado internacional, a questão cambial que tirou a competitividade dos exportadores brasileiros e o direcionamento dos negócios para o mercado interno, que apresentou melhor desempenho", diz Quaresma.

Para 48% das empresas pesquisadas, os valores importados representaram até 10% das compras efetuadas. Para 16% das companhias ouvidas, as importações correspondem a 70% das compras globais, mostrando que a indústria também passou a importar com o objetivo de ganhar competitividade.

O levantamento revela que 71% das empresas ouvidas são exportadoras e importadoras. 64% informam que iniciaram as atividades internacionais após 1991, quando o País abriu seu mercado, e 25% afirmaram que têm mais de 30 anos de experiência internacional.

A publicação estará disponível para download no portal FIESCnet no endereço www.fiescnet.com.br, menu publicações.

Veja aqui todas as notícias

Missão Empresarial ao Oriente Médio 2012 - Catar e Emirados Árabes Unidos

Missão da FIESC embarcou para a maior feira de tecnologia da China (IMP)

Veja aqui - Todas as notícias

Facebook Twitter Linkedin Flickr

Observatório

Indústria e competitividade

Guia da Indústria FIESC

Saiba mais

FIESC

SENAI

SESI

IEL

Prêmio FIESC de Jornalismo

e-Social





OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS
Gomas de mascar, mesmo revestidas de açúcar.
País: Taiwan
Preparações para ondulação ou alisamento, permanentes, dos cabelos
País: Estados Unidos
Mel natural
País: México
Camarões
País: Chile

Federação das Indústria do Estado de Santa Catarina

Departamento Regional - Fone 48 3231 4100

Rod. Admar Gonzaga 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001

Gerência de Comunicação

Institucional:Elmar Meurer

Edição:Filipe Scotti e Dâmi Radin

Reportagem:Dâmi Radin, Elida Ruivo, Ivonei
Fazzioni e Gabrielle Bittelbrun