Newsletter Semanal da FIESC  |  nº 368  |  18.06 até 25.06.2014  |  FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA
» Energia elétrica para indústria de SC é a mais cara do Sul


Presidente da FIESC, Glauco José Côrte, ministrou palestra no painel sobre energia (Foto: Heraldo Carnieri)
A tarifa de energia elétrica para a indústria de Santa Catarina é a mais elevada da região Sul do País e acima da média nacional, conforme estudo elaborado pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC). Além disso, o País registra acentuada carga tributária sobre a energia elétrica, que, em Santa Catarina, por exemplo, chega a 40,5%. Os problemas foram apontados pelo presidente da federação, Glauco José Côrte, em palestra no quarto debate do ciclo Cresce SC. Realizado pelo Grupo RBS, na sede da FIESC, o evento foi promovido pelo sindicato estadual (Senge/SC) e pela federação nacional dos engenheiros. "O imposto incide sobre o próprio imposto; é um exagero tributar a energia elétrica neste nível", afirmou Côrte, ressaltando que o problema retira a competitividade da indústria do Estado.

Segundo Côrte, as alíquotas nominais de 25% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), de 0,68% do PIS e 3,14% do Cofins incidem sobre a fatura contendo os tributos em sua base de cálculo. O presidente da FIESC citou, como exemplo, o caso específico do ICMS, cuja tarifa nominal em Santa Catarina é de 25%, o que equivale a uma taxa real de 33,3%.

Como alternativas para a redução das tarifas da Celesc, Côrte apontou a instalação de Pequenas Centrais Hidrelétricas. Ele citou que o Estado possui 220 projetos aguardando licenças ambientais prévias, licenças de operação e licenças de instalação, que totalizam 6,1 mil MW. "Elas representam quase meia Itaipu", destacou o presidente da FIESC.

Participante do evento como debatedor, o presidente da Celesc, Cleverson Siewert, explicou que a empresa teve que comprar energia em leilões nos últimos anos, quando a oferta foi basicamente de energia térmica. Assim, hoje 28% da energia fornecida pela estatal é de origem térmica e tem um custo de R$ 1 mil a R$ 1,5 mil por MW, contra a média de R$ 100/MW da hídrica e outras fontes renováveis (que correspondem aos outros 72% do portfólio da empresa). Segundo o presidente da Celesc, além da dependência da energia térmica, a elevação das tarifas de energia para o setor industrial catarinense se deve também à diferença de datas de reajuste e consequente defasagem que podem apresentar e ao elevado índice de plantas industriais que utilizam energia de menor tensão. "A redução da tensão exige mais investimentos da distribuidora", afirmou.

Outros debatedores do evento foram os presidentes do Senge/SC, José Carlos Rauen, e da Associação Brasileira do Carvão Mineral, Fernando Luiz Zancan, além do gerente de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética da Eletrosul, Jorge Luís Alves. O painel foi mediado pelo jornalista Moacir Pereira, colunista do Grupo RBS.

Glauco José Côrte falou ainda sobre a oferta de gás natural em Santa Catarina, que apresenta esgotamento da oferta e transporte. "Muitas empresas estão fazendo a reconversão para outras matrizes e alguns dos novos empreendimentos que se instalam no Estado somente são possíveis por causa dessa reconversão", salientou.

Veja aqui todas as notícias

FIESC pede a Dilma medidas para afetados pelas chuvas em SC

Governo formaliza cessão de terreno para estruturas do SENAI

Prêmio D. Catarina atesta qualidade na inovação da indústria

Evento em Joinville debate uso das PPPs para infraestrutura

» Energia elétrica para indústria de SC é a mais cara do Sul

» Seminário esclarece procedimentos para comércio exterior

» Dez sindicatos filiados à FIESC receberão Mérito Sindical

Veja aqui - Todas as notícias

Facebook Twitter Linkedin Flickr

Observatório

Indústria e competitividade

Guia da Indústria FIESC

Saiba mais

FIESC

SENAI

SESI

IEL

Prêmio FIESC de Jornalismo

e-Social





Federação das Indústria do Estado de Santa Catarina

Departamento Regional - Fone 48 3231 4100

Rod. Admar Gonzaga 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001

Gerência de Comunicação

Institucional:Elmar Meurer

Edição:Filipe Scotti e Dâmi Radin

Reportagem:Dâmi Radin, Elida Ruivo, Ivonei
Fazzioni e Gabrielle Bittelbrun