Newsletter Semanal da FIESC  |  nº 438  |  11.11 até 18.11.2015  |  FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA
SC participa do Encontro Nacional da Indústria, em Brasília

A Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) lidera delegação de 90 empresários e representantes de sindicatos de indústria filiados à entidade ao 10º Encontro Nacional da Indústria (ENAI), o mais representativo evento empresarial da indústria brasileira, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O evento será realizado nesta quarta e quinta-feira (11 e 12), em Brasília. O grupo será liderado pelo presidente da Federação, Glauco José Côrte, que também será um dos debatedores do painel "Os cenários da economia brasileira" junto com o ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles.

Com o tema "Brasil: ajuste e correção de rota", o evento reunirá cerca de 2 mil participantes e abordará os desafios para a economia e a produtividade e o contexto global pós-crise. Também debaterá as mudanças da competitividade da indústria brasileira e a sua inserção nos principais mercados mundiais.

Além do presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, participará da abertura do evento o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto. O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, falará sobre os desafios atuais da economia brasileira. O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton encerrará o ENAI, na quinta-feira, às 10h.

Entre os empresários que participarão dos debates estão Paulo Stark, presidente da Siemens, Marcos Munhoz, vice-presidente da GM do Brasil e da GM América do Sul, Vijay Gosula, sócio-diretor da McKinsey Brasil, Astor Schmitt, acionista e executivo de Relações Institucionais da Randon. O painel que debaterá a agenda do Congresso para a criação de um ambiente mais favorável aos negócios terá a presença dos senadores Cássio Cunha Lima (PSDB/PB) e Ricardo Ferraço (PMDB/ES), e os deputados federais Bruno Araújo (PSDB/PE), Paulo Teixeira (PT/SP) e Celso Russomano (PRB/SP).

Equilíbrio fiscal: Na avaliação da CNI, o controle efetivo e duradouro dos gastos públicos depende, especialmente, da eliminação de mecanismos automáticos e obrigatórios de aumento de despesas, como a vinculação de gastos e a indexação automática de benefícios ao salário mínimo. Outro ponto fundamental para o equilíbrio das contas públicas é a reforma da Previdência Social.

Para contribuir com a pauta de redução dos custos, a CNI reuniu 120 medidas de baixo impacto fiscal que podem ser implementadas em paralelo ao ajuste das contas públicas. Essas ações, que são decisivas para reduzir a insegurança jurídica e a burocracia, estão reunidas no documento Regulação e Desburocratização, já entregue ao governo.

A expectativa da indústria é que o Poder Executivo e o Congresso Nacional superem as divergências políticas e estabeleçam uma pauta que recoloque o país na rota do crescimento. As empresas também precisam fazer sua parte, propondo soluções para os obstáculos ao crescimento e aperfeiçoando a gestão das empresas para aumentar a produtividade e os investimentos em inovação e oferecer ao mercado produtos de mais qualidade a preços mais baixos.

Conheça as mudanças inadiáveis propostas pela indústria

Reforma tributária precisa simplificar impostos e desonerar investimentos
Mais de 70% dos empresários reprovam o sistema tributário brasileiro, mostra a Sondagem Especial Tributação, feita pela CNI com 2.622 empresários de todo o país. Além da elevada carga tributária, os empresários dizem que o sistema tem um grande número de impostos, é muito complexo e pouco transparente, não respeita os direitos e garantias dos contribuintes, e traz insegurança jurídica.

Modernização da legislação trabalhista deve privilegiar a livre negociação
A modernização das relações trabalhistas é decisiva para dar segurança jurídica às empresas e assegurar os direitos dos trabalhadores. Atualmente, a legislação inibe a livre negociação entre empregadores e empregados, proíbe diversas modalidades de contratos que favorecem a competitividade das empresas e facilitam a contratação de trabalhadores que gostariam de ter horários e condições de trabalho mais flexíveis.

Além disso, o excesso de leis é fonte de interpretações dúbias, que frequentemente geram conflitos trabalhistas e disputas judiciais. No Brasil, mais de 6% dos trabalhadores assalariados interpõem ações judiciais contra empregadores. Em 2011, a Justiça do Trabalho recebeu mais de 3 milhões de processos.

¿¿Ampliação da infraestrutura exige investimentos de 5% do PIB
A redução dos custos das empresas e o aumento da competitividade dos produtos brasileiros também dependem da ampliação e da modernização da infraestrutura. Em média, o Brasil investe R$ 100 bilhões por ano em infraestrutura, equivalente a 2,1% do Produto Interno Bruto (PIB). Na China, os investimentos em infraestrutura alcançam 7,3%, no Chile, 6,2%, e na Índia, 5,6% do PIB. De acordo com o estudo Competitividade Brasil 2014, feito pela CNI em uma lista de 14 países que são nossos principais concorrentes no mercado internacional, o Brasil está em penúltimo lugar no quesito infraestrutura e logística, à frente apenas da Colômbia e atrás de nações como Chile, Argentina, China e México. Para a CNI, os investimentos em infraestrutura devem alcançar 5% do PIB em 2022. Isso só será possível se a iniciativa privada participar das obras.

Produtividade também depende da melhoria da gestão das empresas
A produtividade do Brasil, além de baixa, cresceu apenas 6,6% entre 2002 e 2012, contra índices superiores a 30% em economias desenvolvidas, como Japão e Estados Unidos. Para a CNI, neste momento de retração econômica, é primordial superar a desvantagem e colocar a melhora da produtividade no centro das metas do país e do setor produtivo.

Ação sindical é decisiva para transformar a indústria e o país
É missão dos sindicatos industriais acompanhar as transformações do setor produtivo e buscar novas maneiras de informar, apoiar e mobilizar para o desenvolvimento da indústria do Brasil. As instituições devem liderar o debate e a construção de propostas que ajudem cidades, estados e o país a superar os desafios da atualidade, acredita a CNI. Atualmente, a base de representação do Sistema Indústria é composta por 1,3 mil sindicatos e 700 mil empresas.

Veja aqui todas as notícias

"Parceria Transpacífico põe OMC no limbo", diz Jorge Arbache

FIESC cobra retorno maior dos impostos pagos pelo Estado

FIESC divulga vencedores do Prêmio de Jornalismo

SESI e Canal Futura apresentam série sobre a vida de cientistas

» Em Joinville, FIESC entrega sala do SESI Matemática

» Empresas tiram dúvidas sobre sistema de resíduos

» FIESC defende aumento das exportações para a Eslováquia

» Capacitação gera ganhos para empresas da construção civil

» Exportações catarinenses caem 16% no acumulado de 2015

» Empresários participam de feira da construção da Europa

Veja aqui - Todas as notícias

Facebook Twitter Linkedin Flickr

Observatório

Indústria e competitividade

Guia da Indústria FIESC

Saiba mais

FIESC

SENAI

SESI

IEL

Prêmio FIESC de Jornalismo

e-Social





Federação das Indústria do Estado de Santa Catarina

Departamento Regional - Fone 48 3231 4100

Rod. Admar Gonzaga 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001

Gerência de Comunicação

Institucional:Elmar Meurer

Edição:Filipe Scotti e Dâmi Radin

Reportagem:Dâmi Radin, Elida Ruivo, Ivonei
Fazzioni e Gabrielle Bittelbrun