Newsletter Semanal da FIESC  |  nº 485  |  26.10 até 02.11.2016  |  FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA
» "Educação está desconectada da produtividade", diz Barros


Professor Ricardo Paes de Barros abordou o descompasso entre educação e produtividade (foto: Fernando Willadino)
"Estamos produzindo muita educação, mas absolutamente desconectada da produtividade. Sem esse apoio vai ser difícil. Estamos em apuros", alertou o professor do Insper e economista-chefe do Instituto Ayrton Senna, Ricardo Paes de Barros, durante reunião de diretoria da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), na sexta-feira (21), em Florianópolis. "Não existe País rico no longo prazo que não tenha produtividade", disse.

Ele apresentou diversos dados que relacionam a educação com a produtividade e destacou que em 2004 Santa Catarina era o sexto Estado brasileiro com maior PIB por trabalhador. Contudo, em 2013 caiu para o nono lugar. "Quando olhamos para o que aconteceu, a situação catarinense é preocupante. Barros mostrou que de 2004 a 2013 o salário real cresceu 4% ao ano em Santa Catarina. Enquanto isso, no mesmo período, a produtividade avançou 1,5%. Não estamos conseguindo competir com as taxas de crescimento da África, que na média é 2,5%, comparou ele, salientando que a produtividade africana é menor do que a catarinense, mas vem aumentando numa velocidade mais rápida. "Não estamos nosso crescimento com o da Coreia e Cingapura, mas sim, com a taxa da África. E não estamos conseguindo competir. Ou seja, a locomotiva não está andando", afirmou.

"Realmente são dados impressionantes e impactantes que mostram a gravidade da questão educacional. Mas, reafirmam a importância do nosso Movimento Santa Catarina pela Educação. Se vínhamos trabalhando nesse sentido, vamos ter que triplicar os esforços para melhorar a qualidade da nossa educação", afirmou o presidente da FIESC, Glauco José Côrte.

Ricardo disse que há consenso de que a educação melhora a produtividade. Diversos países investiram nesse modelo e colheram os resultados. E citou como exemplo o Chile, onde cada ano de escolaridade gera US$ 3 mil a mais de produtividade por trabalhador; na China US$ 3,5 mil e na Malásia US$ 2,5 mil por série adicional. "No Brasil, esse valor é US$ 0,2 mil por série adicional. A produtividade simplesmente não vem respondendo a aumentos na escolaridade. O Brasil conseguiu designificar a educação para a economia. Ou seja, estamos produzindo muita educação, que até pode ser de muito boa qualidade, mas absolutamente desconectada da produtividade", declarou.

"Temos que ver se falta resignificar essa educação e nesse momento de expandir o ensino médio é muito importante para fazer isso. Em vez de produzir mais do mesmo, precisamos produzir uma educação com mais significado para as pessoas e para aquilo que elas gostariam de produzir ao longo de sua vida", concluiu.

Desafios e política: o analista político Carlos Melo fez um panorama do cenário brasileiro e afirmou que o País ainda está no labirinto. "Estamos retornando a governabilidade e isso é positivo, mas ainda estamos muito longe do ideal", afirmou. Melo destacou que a base do governo é fragmentada e tem problemas de coesão. "Se olharmos para a crise, ainda não foi superada, só a fase aguda dela. Ainda é um mal crônico", disse, chamando a atenção para o esgotamento estrutural na macroeconomia, para a crise de liderança e para o colapso do financiamento político.

Na opinião de Melo, o Brasil tem desafios para uma década e acredita que o cenário para 2016 e 2017 é neutro. "Deve ter um governo pouco efetivo, com dificuldades para aglutinar a base", avaliou, lembrando que além da aprovação da PEC do teto dos gastos, o governo precisa fazer a reforma da previdência. Carlos acredita que o próximo presidente da República ainda vai pegar o Brasil em crise, pois os problemas estruturais ainda permanecem intactos, como o modelo político, a crise política e crise de liderança.

Veja aqui todas as notícias

Especialistas do Brasil, Chile e Colômbia debatem educação

Campanha Moto pela Vida busca redução de acidentes em SC

FIESC e EMBRAPII realizam seminário sobre inovação

Evento do SENAI em Lages desperta para indústria 4.0

» FIESC e Unisul assinam acordo de cooperação

» Jogos do SESI reúnem 1,4 mil trabalhadores da indústria

» Movimento SC pela Educação traça estratégias em reunião

» "Educação está desconectada da produtividade", diz Barros

» Côrte defende que a educação esteja na agenda da indústria

» Início da recuperação da economia será em 2017

» Confiança do industrial tem ligeira queda em outubro

» SENAI/SC lança cursos focados em indústria avançada

» Comdefesa debate fiscalização de produtos controlados

» Economia brasileira dá os primeiros sinais de recuperação

» Saúde e segurança são debatidos em Criciúma

» Indústrias de SC disputam prêmio nacional de estágio

» FIESC debate inclusão de pessoas com deficiência

Veja aqui - Todas as notícias

Facebook Twitter Linkedin Flickr

Observatório

Indústria e competitividade

Guia da Indústria FIESC

Saiba mais

FIESC

SENAI

SESI

IEL

Prêmio FIESC de Jornalismo

e-Social





Federação das Indústria do Estado de Santa Catarina

Departamento Regional - Fone 48 3231 4100

Rod. Admar Gonzaga 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001

Gerência de Comunicação

Institucional:Elmar Meurer

Edição:Filipe Scotti e Dâmi Radin

Reportagem:Dâmi Radin, Elida Ruivo, Ivonei
Fazzioni e Gabrielle Bittelbrun