Newsletter Semanal da FIESC  |  nº 494  |  18.01 até 25.01.2017  |  FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA
» Exportação catarinense cai menos que a média nacional


Importações do Estado tiveram retração mais acentuada: 17,8% (foto: Markito)
As exportações catarinenses fecharam o ano de 2016 em US$ 7,59 bilhões, o que representou queda de 0,7% em relação aos US$ 7,64 bilhões de 2015. A diminuição dos embarques em nível nacional foi maior (3,1%), divulgou no dia 5 a Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC). O resultado catarinense não foi melhor porque o valor em dólar dos produtos teve redução, já que o volume exportado pelo Estado subiu 4,7%.

O resultado reflete o esforço do setor exportador catarinense e pode ser considerado bom, tendo em vista o cenário econômico e a instabilidade cambial, avalia o presidente da FIESC, Glauco José Côrte. "Com a contração do mercado interno, cuja recuperação será lenta, a exportação é uma alternativa que as empresas perseguem", diz, lembrando, contudo, que os resultados no mercado internacional nunca aparecem no curto prazo. Côrte destaca também que, para reaver a competitividade que perde da porta das fábricas para fora, o setor produtivo depende da aprovação das reformas propostas pelo governo federal, como a trabalhista e da previdência, além do ajuste fiscal.

Os Estados Unidos, principal destino internacional dos produtos catarinenses, elevaram em 20,2% as compras do Estado, com destaque para o embarque de automóveis produzidos pela BMW em Araquari, a partir de acordo fechado em abril. China, o segundo País que mais importa de Santa Catarina, registrou alta de 13,5% e a Rússia de 17,3%.

Com relação aos produtos exportados, além dos automóveis, destacam-se também as exportações de carne suína (com elevação de 26%), destinadas principalmente à China e ao Chile, e de preparações e conservas de carne (+15,1%), tendo Argentina e ao Japão como principais destinos. Por outro lado, declinaram as exportações de produtos como tabaco não manufaturado (19,6%), de partes para motores (12,9%) e de motores e geradores elétricos (24,5%).

Como as importações caíram bastante mais do que as importações (17,8%), o saldo balança comercial catarinense melhorou. Embora ainda tenha fechado negativo em US$ 2,8 bilhões, é significativamente menos desfavorável do que os quase US$ 5 bilhões de 2015, sendo o melhor desempenho da balança desde 2009.

Veja aqui todas as notícias

FIESC debate parcerias com município de Rio Negrinho

Grupo para rever permissionamento da pesca anima setor

Prazo para pagamento da contribuição sindical é 31 de janeiro

Opinião: A minirreforma trabalhista, por Glauco José Côrte

» Nova taxa de juros é aceno para estimular consumo

» Racionalização nas prefeituras é o caminho certo, diz FIESC

» Exportação catarinense cai menos que a média nacional

» Redução no preço do gás é notícia positiva, diz FIESC

» Proposta de reforma trabalhista traz importantes avanços

» Programa Novos Caminhos é apresentado ao CNJ

» Abertas inscrições da educação de jovens e adultos

Veja aqui - Todas as notícias

Facebook Twitter Linkedin Flickr

Observatório

Indústria e competitividade

Guia da Indústria FIESC

Saiba mais

FIESC

SENAI

SESI

IEL

Prêmio FIESC de Jornalismo

e-Social





Federação das Indústria do Estado de Santa Catarina

Departamento Regional - Fone 48 3231 4100

Rod. Admar Gonzaga 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001

Gerência de Comunicação

Institucional:Elmar Meurer

Edição:Filipe Scotti e Dâmi Radin

Reportagem:Dâmi Radin, Elida Ruivo, Ivonei
Fazzioni e Gabrielle Bittelbrun