Newsletter Semanal da FIESC  |  nº 579  |  26.09 até 3.10.2018  |  FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA
» Sistema tributário deve ser equilibrado, justo e eficiente


Presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, durante participação no seminário (foto: Filipe Scotti)
"Temos a convicção de que o sistema tributário deve ser equilibrado, justo e eficiente. Um estado não pode prescindir de impostos para prestar seus serviços essenciais e promover o crescimento econômico. No entanto, os tributos não podem se tornar um obstáculo ao desenvolvimento. Quando isso ocorre, a própria arrecadação governamental é reduzida. Cria-se um paradoxo de quanto mais imposto, menos recursos para os cofres públicos", afirmou o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, no seminário que abordou a extinção do regime de substituição tributária sobre o ICMS. O evento foi realizado pelo Instituto de Estudos Tributários do Rio Grande do Sul, com o apoio da FIESC, no dia 19, em Florianópolis.

Aguiar ressaltou que o sistema tributário brasileiro é, notoriamente, um fator que retira competitividade do produto nacional. "Podemos facilmente elencar três características que conduzem a esta conclusão em relação à carga tributária brasileira: é cara, complexa e gera insegurança jurídica. Os tributos no Brasil são onerosos para a sociedade, que desembolsa muito e tem baixo retorno de serviços", disse. Ele observou ainda que a gestão tributária das empresas é difícil e intrincada. "Essa complexidade eleva ainda mais a carga, além de gerar incertezas e dúvidas - a dita insegurança jurídica", completou.

O secretário da Fazenda, Paulo Eli, lembrou que grande parte da arrecadação do Estado é por meio da substituição tributária. Ele informou que 40 mil itens já saíram desse regime e a arrecadação aumentou. "Temos que sair do sistema, mas temos que planejar muito bem porque tem um fluxo de caixa. Acho que a saída do Estado da substituição tributária vai aumentar a arrecadação, mas o estado está fazendo estudos de impacto", explicou, lembrando que é um processo lento e gradual e que envolve muitos setores.

O vice-presidente do IET, Rafael Korff Wagner, disse que a substituição tributária é um tema relevante para o dia a dia do setor produtivo. "Hoje sabemos que esse regime não preenche mais aquela realidade a que se destinava quando foi criado. Acabou se pulverizando e gerando distorções no sistema que levam ao aumento da carga tributária e de custo de conformidade para as empresas", opinou. Segundo ele, se não for possível extinguir a substituição tributária, é preciso fazer uma revisão do mecanismo, em linha com decisão do STF que diz que o regime precisa ser aplicado com modicidade e para determinados setores.

Veja aqui todas as notícias

FAB identifica oportunidades de parceria com SENAI

Projeto Amigos da farmaSesi arrecada 19 mil itens em campanha

Encontro aborda Porto de São Francisco e rodovias de SC

Marinha e Aeronáutica apresentam demandas à indústria

» Sistema tributário deve ser equilibrado, justo e eficiente

» Seminário aborda oportunidades entre SC e China

» Filiado a sindicatos industriais tem desconto em carro

» Confiança do industrial catarinense permanece estável

» Startups de Portugal visitam SC em busca de parcerias

» Custos industriais crescem 3,7% no 2º trimestre de 2018

» São Bento do Sul realiza etapa da Corrida do Bem farmaSesi

» Nanotecnologia aplicada à indústria é tema de workshop

» Novos Caminhos facilita inserção no mercado de trabalho

Veja aqui - Todas as notícias

Facebook Twitter Linkedin Flickr

Observatório

Indústria e competitividade

Guia da Indústria FIESC

Saiba mais

FIESC

SENAI

SESI

IEL

Prêmio FIESC de Jornalismo

e-Social





Federação das Indústria do Estado de Santa Catarina

Departamento Regional - Fone 48 3231 4100

Rod. Admar Gonzaga 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001

Gerência de Comunicação

Institucional:Elmar Meurer

Edição:Filipe Scotti e Dâmi Radin

Reportagem:Dâmi Radin, Elida Ruivo, Ivonei
Fazzioni e Gabrielle Bittelbrun