Newsletter Semanal da FIESC  |  nº 581  |  10.10 até 17.10.2018  |  FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA
» Nanotecnologia cresce na pauta de exportações de SC


Betina Giehl Zanetti Ramos apresentou o case da Nanovetores (Foto: Filipe Scotti)
Fabricante de nanopartículas com propriedades funcionais para tecidos, cosméticos, alimentos e materiais diversos, a Nanovetores, localizada em Florianópolis, obteve um crescimento de exportações na ordem de 300% no último ano. Essas partículas, praticamente invisíveis a olho nu, podem ser aplicadas, por exemplo, a tecidos que passam a ter a capacidade de repelir mosquitos ou hidratantes. A Nanovetores, a Cetarch (de Criciúma, que aplica nanotecnologia à cerâmica) e Extratos da Terra (de Palhoça, que aplica nanotecnologia em produtos cosméticos) foram os três cases apresentados na quinta (4) no Workshop Nanotecnologia para a Indústria, evento que faz parte do programa homônimo, mantido em parceria entre a Confederação Nacional da Indústria (CNI), Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e as federações de indústria, como a FIESC. A nanotecnologia consiste em produtos extremamente minúsculos, correspondente a milionésimos de milímetros, numa proporção do tamanho de uma laranja, na comparação com a do planeta Terra.

"A nanotecnologia abre uma gama de oportunidades para a miniaturização de componentes e apresenta um amplo potencial de aplicação em importantes setores industriais. É, portanto, uma oportunidade de diferenciação que precisa ser considerada pelo nosso setor produtivo", disse o diretor de desenvolvimento institucional e industrial da FIESC, Carlos Henrique Ramos Fonseca. Ele citou exemplos dessas tecnologias que estão em desenvolvimento em Santa Catarina com o apoio do SENAI. No segmento de tecnologia da informação e da comunicação, sistemas embarcados estão sendo integrados com nanosensores e nanoatuadores produzidos a partir de nanomateriais. Na área de meio ambiente estão sendo aplicadas nanopartículas para tratamento de águas e efluentes, solos, resíduos e emissões atmosféricas. No setor de alimentos e bebidas, especialistas do SENAI criam produtos saudáveis com nanocompostos e ingredientes ativos nanoencapsulados. Na área de cerâmica são adicionados nanopartículas para otimização de materiais. No setor metalmecânico e metalúrgico é realizado tratamento de superfícies com nanomateriais. Na área têxtil e de confecção são desenvolvidos fios e tecidos inteligentes com nanopartículas.

Fonseca destacou ainda estudo do Observatório FIESC que aponta os setores de tecnologia da informação e comunicação (TIC), robótica & automação, biotecnologia, sustentabilidade e novos materiais como os com maior potencialidade de conexão à nanotecnologia. "De forma convergente, essas atividades impulsionarão o movimento nacional da manufatura avançada, mais conhecida no Brasil como Indústria 4.0", acrescentou.

O analista de políticas e indústria da CNI, Cristiano Silva, destacou a parceria da entidade com a ABDI como forma de estimular o desenvolvimento de nanotecnologia na indústria nacional. "Há muito o que se fazer, inclusive fortalecendo a cooperação com a academia", disse. "A nanotecnologia tem melhorado o desempenho de diversos setores industriais, que é uma das chaves para o desenvolvimento do setor", acrescentou.

Especialista em nanotecnologia, biotecnologia e saúde da ABDI, Clelia Guimarães entende que a nanotecnologia estabelece um novo paradigma para o Brasil se espelhar. Ela citou que o Programa Nanotecnologia para a Indústria já realizou ações em duas dezenas de organizações do setor.

"Ou a indústria incorpora nanotecnologia em seu planejamento tecnológico ou vai ter dificuldades de se manter no mercado devido à concorrência", afirmou o diretor do Instituto SENAI de Inovação em Sistemas Embarcados, de Florianópolis, André Pierre Mattei.

Eric Cardona Romani, pesquisador-chefe do Instituto SENAI de Inovação em Sistemas Virtuais de Produção, do Rio de Janeiro, comparou a nanotecnologia à indústria 4.0 como desafio para o desenvolvimento industrial. "Temos que ter com a nanotecnologia a mesma preocupação, incluindo a capacitação de profissionais, que temos com a indústria 4.0", disse. Ele citou as potencialidades do uso do grafeno, um componente do carbono e que pode ser extraído da biomassa, ou seja, pode ser obtido a partir do lixo. O grafeno pode ser, por exemplo, a base para a produção deo um telefone celular flexível (que já está sendo desenvolvido e deve chegar ao mercado em breve) ou para a dessalinização da água.

Ao final, representantes do BNDES, BRDE, Badesc, Finep, SENAI/SC e IEL/SC participaram de painel que tratou de financiamento para a nanotecnologia.

Veja aqui todas as notícias

FIESC sedia reunião do governo federal sobre a Lei de Migração

Novo SESI em Palhoça oferece academia e Educação Maker

SENAI abre inscrições para 17 mil vagas em cursos para 2019

Com apoio da FIESC, sindicatos recebem prêmio de excelência

» Exportação acumula alta de 2,1% até setembro

» Nanotecnologia cresce na pauta de exportações de SC

» Micro e pequenas participam de rodadas de negócios

» Vendas da indústria acumulam alta de 13,6% até agosto

» Mapeamento mostra a cadeia catarinense de reciclagem

» Programa auxilia micro e pequenas a vender para os EUA

» Astronauta Pontes vem a SC para evento de tecnologia

» Produção industrial de SC acumula alta de 4,6%

Veja aqui - Todas as notícias

Facebook Twitter Linkedin Flickr

Observatório

Indústria e competitividade

Guia da Indústria FIESC

Saiba mais

FIESC

SENAI

SESI

IEL

Prêmio FIESC de Jornalismo

e-Social





Federação das Indústria do Estado de Santa Catarina

Departamento Regional - Fone 48 3231 4100

Rod. Admar Gonzaga 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001

Gerência de Comunicação

Institucional:Elmar Meurer

Edição:Filipe Scotti e Dâmi Radin

Reportagem:Dâmi Radin, Elida Ruivo, Ivonei
Fazzioni e Gabrielle Bittelbrun