Newsletter Semanal da FIESC  |  nº 597  |  27.02.2019 até 6.03.2019  |  FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA
» Agenda econômica do País tem potencial disruptivo


Economista-chefe do Bradesco, Fernando Barbosa, durante reunião na FIESC (foto: Fernando Willadino)

Clique aqui e assista à entrevista com o economista-chefe do Bradesco, Fernando Barbosa

Clique aqui e veja no Flickr da FIESC a cobertura fotográfica

A agenda econômica do País tem potencial disruptivo e três fatores são crucias nesse processo: o teto de gastos, com a aprovacão da reforma da previdência como eixo central; a simplificação do ambiente, especialmente o tributário, medida que coloca o país numa posição mais favorável no ambiente mundial de negócios, além da abertura comercial. A avaliação é do economista-chefe do Bradesco, Fernando Honorato Barbosa, que destacou as perspectivas econômicas em reunião de diretoria da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), na sexta-feira (22), em Florianópolis.

"São aspectos frontalmente cruciais. O ambiente vai mudar e temos que estar preparados. São três agendas básicas transformacionais. O papel do teto dos gastos é reduzir o tamanho do Estado na economia e isso tem como principal consequência trazer protagonismo ao setor privado. O governo diminuindo de tamanho, necessariamente, traz o setor privado para o jogo. A segunda agenda é a simplificação do ambiente de negócios e isso inclui a reforma tributária para colocar o Brasil entre as 50 melhores economias para fazer negócio nos próximos quatro anos", explicou, lembrando que hoje o País ocupa a posição 129. Segundo Fernando, nesse novo modelo a ideia é tributar menos a produção e o consumo e mais a renda. "É assim que os países desenvolvidos funcionam", resumiu, salientando que neste momento não dá para pensar em reforma tributária que reduza a carga. "Mas é uma reforma que tem um potencial enorme de destravar negócios no Brasil", acredita Barbosa.

Em relação à abertura comercial, é uma agenda que tem potencial para destravar a produtividade. Como vai ser feito importa. Minha impressão é que essa equipe econômica tem plena consciência do desafio. Primeiro você garante sua anuência fiscal, com a reforma da previdência, depois você melhora a competitividade das empresas através da reforma do ambiente de negócios e depois você faz a abertura. Esse é o sequenciamento que temos em mente. Se isso acontecer, tem potencial enorme de transformação.

"Caso o PIB brasileiro cresça, nos preocupa se teremos energia e infraestrutura de transporte suficiente para suportar um crescimento de 2% a 3%", ressaltou o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, lembrando que a redução do tamanho do estado também é outro desafio.

 

Veja aqui todas as notícias

Abertura comercial será progressiva e com diálogo

FIESC encomenda estudos para Aeroporto de Chapecó

FIESC mostra ao Fórum Parlamentar proposta em logística

Retirada da vacinação contra aftosa no PR preocupa SC

» Convênio amplia ações para micro e pequenas

» Agenda econômica do País tem potencial disruptivo

» Projetos de SC são aprovados em edital de inovação

» Inteligência artificial personalizará ensino, mostra estudo

» FIESC e ACM vão atuar em ações em políticas públicas

» Marisol expõe no Espaço Indústria na FIESC

» SC vai ao Rio competir no Festival de Robótica do Brasil

» FIESC fortalece ações de câmaras setoriais e temáticas

» Confiança do industrial segue elevada em fevereiro

» FIESC é referência em desenvolvimento associativo

» Edital busca soluções inovadoras para o setor de energia

Veja aqui - Todas as notícias

Facebook Twitter Linkedin Flickr

Observatório

Indústria e competitividade

Guia da Indústria FIESC

Saiba mais

FIESC

SENAI

SESI

IEL

Prêmio FIESC de Jornalismo

e-Social





Federação das Indústria do Estado de Santa Catarina

Departamento Regional - Fone 48 3231 4100

Rod. Admar Gonzaga 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001

Gerência de Comunicação

Institucional:Elmar Meurer

Edição:Filipe Scotti e Dâmi Radin

Reportagem:Dâmi Radin, Elida Ruivo, Ivonei
Fazzioni e Gabrielle Bittelbrun