Newsletter Semanal do Sistema FIESC  |  nº 194  |  01.12 até 08.12.2010  |  FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA
Indústria cobra plano de ação nacional pela competitividade


da esquerda para direita: Bernardo Gradin , Robson Braga de Andrade , Fernando Rodrigues, Luciano Coutinho e Jorge Gerdau (foto: José Paulo Lacerda)
Redução do chamado Custo Brasil, com menos impostos e juros além de mais investimentos em infraestrutura e educação são questões conhecidas que precisam ser resolvidas para que a indústria do Brasil ganhe competitividade e possa ajudar o país a se desenvolver. Agora, é necessário fazer um plano de ação, com metas e prazos para os próximos quatro anos, para colocar as medidas em prática. Essa foi a tônica dos debates no primeiro dia do 5º Encontro Nacional da Indústria, promovido pela CNI, nesta quarta-feira (1º de dezembro), em São Paulo, que conta com a participação de uma comitiva de 73 empresários e líderes sindicais catarinenses. No curto prazo, o câmbio é uma das principais preocupações do setor.

"A indústria não quer benefícios, nem privilégios. Está muito claro que precisamos de condições isonômicas para competir com a produção de outros países, tanto no mercado brasileiro, quando no exterior", disse o presidente da FIESC, Alcantaro Corrêa, que chefia o grupo catarinense.

"A questão é definir o Brasil que queremos", disse o presidente do conselho de administração da Gerdau, Jorge Gerdau, no debate de abertura do encontro. "Com minério de ferro e petróleo dá para gerenciar a balança comercial. Queremos isso ou queremos estruturar uma indústria forte, que gera empregos de qualidade. Essa é a decisão filosófica que precisamos tomar. Depois o governo conhece as medidas a tomar", afirmou. Gerdau defendeu que o câmbio deve ser flutuante, "mas que o Brasil deve definir quanto capital quer que entre no país".

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, também destacou os impactos da atual taxa de câmbio, chamando atenção para a necessidade de adotar medidas de curto prazo, para que "haja tempo de adotar as de médio e longo prazo" voltadas à competitividade. Como exemplo, ele disse que o Brasil pode questionar aspectos como as questões ambientais e trabalhistas da China.

O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, afirmou que a indústria brasileira se beneficia do crescimento do mercado interno e dos investimentos em curso no país. "Mas a pressão do câmbio, em decorrência da entrada de capitais, é crucial e as importações estão crescendo. Precisamos de um esforço pela competitividade", afirmou, depois de informar que os investimentos previstos para os próximos quatro anos vão ser de R$ 1,6 trilhão contra R$ 1 trilhão no quadriênio anterior, considerando infraestrutura, energia, petróleo, gás, programa Minha Casa, Minha Vida e o agronegócio.

Conforme Coutinho, as taxas de juros e de câmbio do Brasil destoam dos fundamentos macroeconômicos e o país pode construir um cenário em que os juros e o câmbio permitam condições competitivas à produção no país. Ele também garantiu que a presidente Dilma Rousseff vai priorizar os investimentos em infraestrutura, outro gargalo da competitividade brasileira.

Veja aqui todas as notícias

SESI realiza Jogos Sul-Brasileiros nesse final de semana

SENAI inaugura ampliação em unidade de Capinzal

Seminário na FIESC mostra oportunidades para SC no exterior

Empresas de SC são reconhecidas em prêmio de estágio

SC busca nos Emirados referência em energia alternativa

Alunos do SENAI vencem concursos de Química e de Literatura

IEL/SC lança novo sistema de agenciamento de estágio

Conhecimento tecnológico fortalece parceria entre Espanha e SC

SESI lança site para promover saúde e qualidade de vida

SENAI discute ações com empresas em Blumenau

SESI/SC divulga cursos de educação continuada em Brusque e Itajaí

Veja aqui - Todas as notícias

Facebook Twitter Linkedin Flickr

Observatório

Indústria e competitividade

Guia da Indústria FIESC

Saiba mais

FIESC

SENAI

SESI

IEL

Prêmio FIESC de Jornalismo

E-Social





Federação das Indústria do Estado de Santa Catarina

Departamento Regional - Fone 48 3231 4100

Rod. Admar Gonzaga 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001

Gerência de Comunicação

Institucional:Elmar Meurer

Edição:Filipe Scotti e Dâmi Radin

Reportagem:Dâmi Radin, Elida Ruivo, Ivonei
Fazzioni e Gabrielle Bittelbrun