Newsletter Semanal Sistema FIESC  |  nº 142  |  02.12 a 09.12.09  |  FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA
FIESC defende redução da tarifa de gás à indústria exportadora


Ministro interino de Minas e Energia recebe ofício (foto: Dâmi Radin)
A Federação das Indústrias (FIESC) entregou dia 27 ao ministro interino de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, ofício defendo a redução da tarifa do gás natural às indústrias exportadoras. O presidente da entidade, Alcantaro Corrêa, afirmou que há uma oferta excedente deste insumo, devido à redução da atividade industrial durante o período de crise e que, com isso, os preços do gás natural deveriam ser mais competitivos, especialmente ao setor exportador que vem sendo prejudicado pela desvalorização do câmbio. A Federação também reforçou a importância de implantar no estado o terminal de regaseificação de gás natural liquefeito (GNL) previsto pela Petrobras para o Sul e solicitou a implantação de programa regional para estimular a indústria fornecedora à cadeia do gás e do petróleo.

No ofício, a FIESC lembra que em momento de excedente de oferta de gás, como o atual - em decorrência do baixo nível de atividade das termelétricas que usa o combustível -, é viável a oferta do gás natural a preços mais competitivos à indústria. Empresários, especialmente do setor cerâmico, pediram ao ministro uma política tarifária para o gás mais transparente e de longo prazo, que permita mais segurança às empresas que investem nesta matriz energética. Zimmermann afirmou que hoje o preço do gás natural é definido pelo governo. "Esta é uma indústria recente e a lei do gás, promulgada em março deste ano, deve melhorar o acesso dos consumidores ao mercado livre", disse.

Ao defender o terminal de GNL, a FIESC destacou que o estado oferece condições técnicas e econômicas e tem localização estratégica para receber o investimento. Outro pleito da entidade é a implantação de uma agência em Santa Catarina do Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (Prominp), programa do Ministério de Minas e Energia (MME) que tem o objetivo de incentivar o desenvolvimento regional da indústria que fornece bens e serviços ao setor petrolífero. "As oportunidades do pré-sal vão gerar inúmeras oportunidades à indústria nacional. Por meio deste programa, as empresas do estado receberiam mais investimentos e seriam estimuladas a atender as demandas deste setor no Brasil e pensar também em exportar, disse o presidente da FIESC, lembrando que a entidade já possui iniciativa nessa linha, que poderia ser potencializada.

Zimmermann, durante palestra em evento da Infragás, afirmou que em 2020 a produção brasileira de gás natural deve chegar a 187,13 milhões m³ por dia. Hoje o país produz 73,13 milhões m³ por dia. Dados do MME mostram que o gás natural no Brasil deve receber investimentos de R$ 3,5 bilhões de reais até 2010. O gás natural tem hoje uma participação de 10,2% na matriz energética nacional. O ministro em exercício disse que o país terá muitos desafios tecnológicos em relação ao pré-sal, com destaque para a questão logística para o escoamento do gás natural, porém ressaltou que a Petrobras já tem estudos em andamento nesta área.

A camada pré-sal posicionará o Brasil entre os dez países com as maiores reservas de petróleo e gás natural do mundo - cerca de 87 % dos poços exploratórios realizados na área encontraram óleo ou gás. Hoje, o país ocupa a 16ª posição entre os maiores produtores mundiais de petróleo. Com a descoberta do pré-sal, estima-se que o país chegue a 8ª posição.

O maior potencial do pré-sal concentra-se na Bacia de Santos, no litoral dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, em região de águas ultraprofundas, com distância a 300 quilômetros da costa. Em relação às oportunidades para a indústria nacional, Zimmermann afirmou que só a Petrobras deve contratar, até 2018, 28 sondas de perfuração e oito plataformas do tipo FPSO (Floating Production Storage and Offloading). Ele afirmou que hoje o país tem 107 mil km² de área sem concessão, que deve ser licitada a partir de 2010.

Gás em SC: O presidente da SC Gás, Ivan Ranzolin, durante apresentação, afirmou que a empresa deve investir R$ 268 milhões até 2014. Deste total, 47% serão destinados a projetos na área industrial e de gás natural veicular (GNV). Desde 2000, quando foi criada, a empresa já investiu R$ 297 milhões, disse. Hoje, são 52 municípios atendidos e até 2014 a previsão é de chegar a 78 cidades do estado. Atualmente a empresa tem 176 clientes industriais, que consomem cerca de 70% do volume de gás natural distribuído pela SC Gás em Santa Catarina.

Veja aqui todas as notícias

FIESC defende redução da tarifa de gás à indústria exportadora

Sistema FIESC divulga vencedores do prêmio de jornalismo 2009

SESI realiza Jogos Sul-Brasileiros neste final de semana

Santa Catarina é case em livro internacional de gestão

Projeto incentiva empresas catarinenses a inovar

SESI Farmácia tem qualidade reconhecida em Blumenau

Tecnólogo em Automação Industrial ajuda a agilizar processos produtivos

Catálogo reúne fornecedores da indústria naval

SENAI/SC e UFSC desenvolvem tecnologias para indústria têxtil

SESI de Blumenau reúne novos alunos do Programa de Inclusão

Sistema que dará agilidade aos portos será implementado em 2010

Gestão ambiental na indústria será tema de seminário na FIESC

Seminário do SENAI/SC quer quebrar paradigmas da moda

FIESC elogia redução do IPI para móveis

SENAI/SC de Caçador sedia reunião do polo moveleiro

Curso gratuito do SENAI/SC qualifica costureiras de baixa renda

Espanhóis conhecem oportunidades do setor de turismo de SC

SENAI/SC abre inscrições para cursos de qualificação profissional

Alunos de escolas públicas de Chapecó experimentam profissões

Facebook Twitter Linkedin Flickr

Observatório

Indústria e competitividade

Guia da Indústria FIESC

Saiba mais

FIESC

SENAI

SESI

IEL

Prêmio FIESC de Jornalismo

E-Social





Federação das Indústria do Estado de Santa Catarina

Departamento Regional - Fone 48 3231 4100

Rod. Admar Gonzaga 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001

Gerência de Comunicação

Institucional:Elmar Meurer

Edição:Filipe Scotti e Dâmi Radin

Reportagem:Dâmi Radin, Elida Ruivo, Ivonei
Fazzioni e Gabrielle Bittelbrun