Fiesc

8º ENAI 2013

Imprimir A+ a-

 

 

 

 

 


 

 

 

Entre os dias 11 e 12 de dezembro a Federação das Indústrias de Santa Catarina - FIESC liderou delegação de 100 empresários e representantes de sindicatos de indústria filiados à entidade ao 8º Encontro Nacional da Indústria - ENAI, o mais representativo evento empresarial da indústria brasileira, promovido pela Confederação Nacional da Indústria - CNI, em Brasília.

 delegacaoENAI

  

O evento tem o objetivo de contribuir para o crescimento e aperfeiçoamento do setor ao promover debates sobre temas de interesse e reivindicar compromissos do governo. Entre os assuntos, os destaques foram a inserção da indústria brasileira nas cadeias globais de valor; os acordos comerciais; educação e inovação; o impacto das relações de trabalho na competitividade; infraestrutura e logística, além de tributação e financiamento.

A abertura do evento contou com a participação do Senador Armando Monteiro, Ministro Aloizio Mercadante, Ministro Guido Mantega, Presidente Dilma Rousseff, Presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, Ministro Fernando Pimentel, Ministro Luis Antonio Rodrigues Elias e presidente do BNDES, Luciano Coutinho.

abertura

 

Segundo afirmação foi feita pela presidente Dilma Rousseff o Brasil precisa combater a burocracia, modernizar as estruturas institucionais e a capacidade de se relacionar com a sociedade. "Precisamos combater a tradição burocrática, do selo, do carimbo", destacou Dilma. "Não podemos ter múltiplas portas de entrada e processos que se sobrepõem", completou, reconhecendo que o excesso de burocracia prejudica a competitividade das empresas brasileiras. Santa Catarina participa do encontro com mais de 100 empresários e representantes de sindicatos de indústria de todo o Estado, liderados pela Federação das Indústrias de Santa Catarina - FIESC. O evento é a convenção anual do setor e se encerra nesta quinta-feira.

O presidente da FIESC, Glauco José Côrte, destaca que Dilma colocou alguns pontos considerados essenciais para que indústria e empresas brasileiras se tornem mais competitivas, como é o caso de investimentos expressivos em infraestrutura. "Além das rodovias, temos uma questão crítica em Santa Catarina, que são as ferrovias, assunto abordado pela presidente. Elas vão exigir mobilização para que os pleitos entrem nos projetos do governo. Nos debates que tivemos aqui no ENAI, os representantes do setor industrial puderam levantar questões que são cruciais para o desenvolvimento e a competitividade como é o caso da burocracia excessiva, a demora no licenciamento ambiental e as normas trabalhistas que tiram a flexibilidade nas negociações", afirmou.

Em seu discurso, Dilma lembrou que o acordo fechado na reunião da Organização Mundial do Comércio - OMC semana passada, em Bali, beneficiará o Brasil.

Mas também representa mais um desafio à competitividade brasileira. Por isso, afirmou ela, governo e empresários devem reforçar as parcerias para ajudar o Brasil a superar os obstáculos ao aumento da produtividade.

Ela também citou os avanços feitos pelo País nas últimas décadas e destacou os resultados das concessões na área de infraestrutura - portos, aeroportos e rodovias - os leilões de energia e dos campos de exploração de petróleo e gás. Dilma admitiu que a parceria do governo com o setor privado é essencial, não só pelo valor dos investimentos, mas, sobretudo, pela capacidade de gestão e pelos ganhos de eficiência aplicados pelas empresas.

Dilma destacou o êxito do Pronatec, realizado em parceria com entidades do chamado Sistema S, tema também lembrado pelo presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade. Em seu discurso para os cerca de 2,3 mil líderes empresariais que participam do ENAI, ele disse que o SENAI atenderá quatro milhões de pessoas em 2014. Andrade destacou que o Brasil precisa vencer uma série de desafios para ganhar competitividade. "Devemos atacar a insegurança jurídica, que gera graves incertezas, afasta investimentos e freia o crescimento", disse.

Andrade chamou atenção para a necessidade de modernização das relações trabalhistas. Segundo ele, um dos principais obstáculos ao crescimento é a ausência de regulamentação do trabalho terceirizado. "A falta de uma lei que trate desse tema de forma adequada deixa o nosso País em descompasso com a tendência global", disse.

 

Os empresários estão preocupados com as novas normas de segurança no trabalho, como a NR-10 e a NR-12. Ambas, afirmou Andrade, impõem custos "incalculáveis e desnecessários", especialmente às pequenas e médias empresas.

O presidente da CNI salientou ainda a necessidade de renovação do Reintegra, que devolve aos exportadores parte dos impostos pagos, para estimular as vendas externas do País, especialmente diante dos sinais de recuperação da economia mundial.

 

Confira as fotos em vídeos do evento:

 

FOTOS

ENAI 2013

 

 

FOTOS DO FÓRUM INDUSTRIAL PARLAMENTAR SUL

 

 

VÍDEOS

TV INDÚSTRIA - ENAI 2013

 

 

TV INDÚSTRIA - FÓRUM INDUSTRIAL PARLAMENTAR SUL

 

 

APRESENTAÇÕES NO ENAI 2013

 

 

 

Fonte: ENAI 2013 disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/cni/canal/enai-home/

<< 8 

 

 

Agenda

Sem eventos - Em breve nossa agenda será atualizada.

Termômetro da Indústria

Nenhum indicador encontrado

   
Carta da Indústria