Fiesc

FIESC tem agenda em favor da modernização no campo trabalhista

A+ a-
Publicado em: 07/08/2013
FIESC tem agenda em favor da modernização no campo trabalhista
(foto: Alex Kosev/Shutterstock)

Florianópolis, 7.8.2013 - A Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) inicia nesta quarta-feira (7) mobilização em Brasília pela aprovação do projeto de lei (PL 4.330/2004) que regulamenta a terceirização no Brasil. Durante reunião-almoço na CNI, lideranças empresariais de todo o Brasil e parlamentares vão se reunir para tratar do assunto. O presidente da FIESC, Glauco José Côrte, vai participar do evento junto com os deputados federais Esperidião Amin, Jorginho Mello e Onofre Agostini. No dia 20, o setor produtivo também participará de sessão no Congresso Nacional em que será apreciada a derrubada do veto à extinção da multa de 10% sobre o saldo do FGTS.

Côrte destaca que o mundo do trabalho mudou muito nas últimas décadas, influenciado pelo novo modelo de trabalho que exige mais tecnologia e um nível de escolaridade maior. Por isso, defende ele, é preciso haver flexibilidade no campo trabalhista. "Não se trata de retirar direitos dos trabalhadores, mas agregar novas discussões. Temos que debater custos e produtividade. São questões que surgem com a sociedade do conhecimento. Essa discussão se insere nesse contexto em que o Sistema Indústria está empenhado em atribuir maior competitividade à indústria brasileira", diz.

O projeto que trata da terceirização tramita há nove anos na Câmara dos Deputados e está previsto para ser votado na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara no dia 13 de agosto. Para a indústria, a terceirização é uma tendência mundial que objetiva ganhos de qualidade, eficiência, produtividade e competitividade. Tudo isso gera riqueza para o país, que por sua vez, cria mais oportunidade de emprego. Setores como construção civil, nanotecnologia, biotecnologia, naval, mecatrônica, tecnologia da informação, entre outros, só serão mais eficientes, produtivos e competitivos com a terceirização de serviços especializados, avalia a CNI.

O projeto de lei que propõe a regulamentação da terceirização não retira direitos dos trabalhadores. Conforme cartilha da CNI, que aborda os mitos e verdades sobre o tema, a proteção a ser feita com base nas regras do projeto será total, abrangendo o registro em carteira de trabalho, jornada legal fixada, férias, 13º salário, proteções previdenciárias e FGTS, bem como, todos os demais direitos previstos na legislação trabalhista e tudo o que estiver definido nos acordos e convenções dos empregados das respectivas categorias profissionais.


 

 

 




Faça o download dos arquivos

Agenda

Sem eventos - Em breve nossa agenda será atualizada.

Termômetro da Indústria

Nenhum indicador encontrado