Fiesc

SC é o Estado onde a indústria tem a maior participação no emprego do País

A+ a-
Publicado em: 06/11/2014
SC é o Estado onde a indústria tem a maior participação no emprego do País
Delegação catarinense no ENAI (foto: Miguel Ângelo/CNI)
Brasília, 6.11.2014 - Santa Catarina é o Estado onde a participação da indústria na geração de empregos é a maior do País. De cada 100 empregos com carteira de trabalho assinada no Estado, 36 estão nas fábricas, mostra o estudo Perfil da Indústria nos Estados, divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A apresentação da pesquisa foi realizada durante o Encontro Nacional da Indústria (ENAI), evento anual do setor que se encerra nesta quinta-feira (6), em Brasília. "Temos um parque industrial diversificado e desconcentrado, que ainda tem uma participação significativa de indústrias intensivas em força de trabalho", avalia o presidente da FIESC, Glauco José Côrte, referindo-se a segmentos como o de alimentos e de confecções.

Depois de Santa Catarina, aparecem o Amazonas e São Paulo, onde as indústrias são responsáveis por 28% e 26% dos empregos formais, respectivamente. O levantamento mostra ainda que Santa Catarina possui PIB industrial de R$ 50,3 bilhões, o sexto maior do País e que o setor responde por 29,7% da economia do Estado, com 811 mil trabalhadores. Destacam-se os setores de fabricação de alimentos (23,1% do PIB industrial), de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (8,6%), além de artigos de vestuário e acessórios (8,2%).

Em nível nacional, o trabalho mostra que São Paulo, o maior parque fabril do país, vem perdendo espaço na produção da indústria brasileira. Apesar de responder por 31,3% de tudo o que é produzido pelo setor, a participação do estado perdeu peso na composição do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Em uma década - de 2001 a 2011 -, a participação da indústria paulista no PIB industrial recuou 7,7 pontos percentuais, a maior queda registrada entre os demais estados e o Distrito Federal. Por outro lado, aumentou a participação no PIB dos outros três estados do Sudeste, e de outros localizados nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste.

"A desconcentração industrial é positiva porque leva desenvolvimento para outros Estados do país. Mais indústrias significam mais empregos de maior qualidade, salários mais elevados e distribuição de renda", avalia o gerente executivo de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca.

Carta da Indústria 2014 - Ao fim de dois dias de debates no Encontro Nacional da Indústria (ENAI), a CNI divulgou a Carta da Indústria 2014, documento que reúne as propostas do setor para desenvolver o país nos próximos quatro anos. A mensagem é de que a indústria brasileira tem pressa e defende um diálogo permanente com a sociedade, o Congresso, o Executivo e o Judiciário para reverter o quadro de perda de competitividade. Entre os avanços defendidos já para 2015 estão a reforma tributária, a modernização das leis trabalhistas, o aumento dos investimentos em infraestrutura, além de uma política fiscal que beneficie o investimento e o aumento da qualidade da educação. "Também precisamos avançar em acordos internacionais, sobretudo com países mais desenvolvidos, para ampliar a inserção do Brasil no comércio exterior", acrescenta Côrte, da FIESC.

Clique aqui e veja detalhes da pesquisa.
Clique aqui e veja a cobertura completa do ENAI.




 


Elmar Meurer
Assessoria de Imprensa da FIESC 
(48) 3231-4672 /  (48) 8421-4070
elmarm@fiescnet.com.br



Faça o download dos arquivos

Agenda

Sem eventos - Em breve nossa agenda será atualizada.

Termômetro da Indústria

Nenhum indicador encontrado