Newsletter Semanal do Sistema FIESC  |  nº 153  |  03.03 até 10.03.2010  |  FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA
Redução da jornada de trabalho preocupa indústria catarinense


Diretoria aprova manifesto durante reunião no dia 26 (foto: Guilherme Ternes)

A Federação das Indústrias (FIESC) aprovou no dia 26 de fevereiro, durante reunião de diretoria da entidade, um manifesto que mostra os efeitos negativos que a proposta que pretende obrigar as empresas a reduzir, por lei, a jornada de trabalho de 44 horas semanais para 40 horas, trará às empresas.

No documento, que já foi encaminhado aos sindicatos de indústria e entidades empresariais do estado, a FIESC afirma que se a Proposta de Emenda Constitucional (PEC nº 231/95), que tramita no Congresso Nacional, for aprovada, resultará em perda de competitividade às empresas, além do risco de redução de emprego. Segundo a entidade, a medida, que também prevê o aumento do valor do adicional da hora extra de 50% para 75% sobre o valor da hora trabalhada aumentará o custo de todos os produtos e serviços. Essa elevação terá que ser repassada aos preços - inclusive para os itens básicos, como alimentação, transporte, luz, água, telefone e pressionará o aumento da inflação. Com isso, toda a sociedade será prejudicada, principalmente as famílias de baixa renda. A proposta afetará, ainda, a competitividade da produção nacional, que já vem sendo muito prejudicada pela valorização do câmbio, a alta carga tributária e a própria conjuntura econômica atual.

A FIESC lembra que, na prática, há dois "tipos" de jornada. A jornada legal, definida em lei, que na maioria dos países desenvolvidos é mais ampla para permitir a acomodação das necessidades dos diversos setores econômicos, as diferenças regionais e as situações excepcionais. Há também a jornada contratada, que é realizada por meio de contrato de trabalho individual ou acordo ou convenção coletiva.

Para a FIESC, leis por si só não criam empregos. Novos postos de trabalho são gerados a partir de crescimento econômico, investimentos e educação de qualidade. A Federação defende que empregados e empregadores são as pessoas que melhor conhecem o potencial de cada setor e atividade, e por meio de negociações equilibradas devem definir a jornada adequada a cada setor econômico.

Para a entidade, limitar, por lei, em 40 horas a jornada de trabalho semanal é desprezar a capacidade de negociação dos sindicatos.  É jogar fora a rica experiência da livre-negociação, que coloca numa mesma mesa os que melhor conhecem a realidade em que operam.

                    

Veja aqui todas as notícias

FIESC assina acordo de cooperação com câmara alemã

Sistema FIESC e sindicatos de indústria firmam convênio

IEL/SC publica Cartilha Melhores Práticas de Estágio

FIESC lança sondagem industrial da construção civil

Seminário mostra oportunidades para construção civil na Espanha

Salames de indústrias do Meio Oeste superam padrão legal

FIESC tem inscrições abertas para missão à Alemanha

Curso gratuito do SENAI ensina mecânica para mulheres

SENAI/SC abre inscrições para 37 cursos de qualificação

Facebook Twitter Linkedin Flickr

Observatório

Indústria e competitividade

Guia da Indústria FIESC

Saiba mais





Federação das Indústria do Estado de Santa Catarina

Departamento Regional - Fone 48 3231 4100

Rod. Admar Gonzaga 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001

Gerência de Comunicação

Institucional:Elmar Meurer

Edição:Filipe Scotti e Dâmi Radin

Reportagem:Dâmi Radin, Elida Ruivo, Ivonei
Fazzioni e Gabrielle Bittelbrun