Newsletter Semanal do Sistema FIESC  |  nº 205  |  02.03 até 09.03.2011  |  FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA
Setores da indústria começam a sentir desindustrialização


Seminário debateu a entrada de produtos importados no mercado nacional (Foto: Fernando Willadino)

Apesar de a indústria brasileira ser afetada nos últimos anos por fatores como câmbio, concorrência internacional e Custo Brasil, o processo de desindustrialização não é um fato consumado no Brasil, disse na quinta-feira (24) o economista da CNI, Flávio Castelo Branco. Contudo, para uma série de setores, o sinal amarelo está aceso para o futuro, especialmente, nos intensivos em mão de obra, que deixou de ser um fator de competitividade da indústria brasileira.

Para o presidente da FIESC, Alcantaro Corrêa, o desafio implica questões externas às empresas, ou seja, o custo Brasil, e uma série de aspectos que devem ser enfrentados pelas próprias indústrias, que precisam inovar e reduzir custos para serem competitivas.

A reprimarização da indústria foi uma das principais preocupações dos três painelistas que participaram do Seminário sobre desindustrialização da FIESC, já que os setores com melhor desempenho hoje são os intensivos em recursos naturais: alimentos e bebidas e papel e celulose. Enquanto isso, perdem espaço setores como têxtil, vestuário e acessórios e couros e calçados, em que a concorrência por preço e custos é fundamental. Material eletrônico e equipamentos de comunicação é outro setor que vem sofrendo com a concorrência internacional. "O problema não é exportar produtos primários. Mas exportar só isso", disse o painelista José Augusto Castro, especialista em comércio internacional.

Por enquanto, o Brasil passa por um momento de estagnação industrial, conforme Castro, mas corre sério risco de entrar em um processo de desindustrialização. "Temos os sintomas do problema, mas ele não apareceu efetivamente. Porém é uma ameaça concreta", diz. A carga tributária elevada, a falta de investimento em infraestrutura, a taxa de câmbio desfavorável e a alta das importações são fatores apontados como principais causadores do problema. "A tendência hoje é as empresas continuarem importando e assim começarem a ter uma queda efetiva na produção industrial. É visível que existem todos os fatores para que a desindustrialização se concretize".

A balança comercial brasileira tem superávit devido à exportação de commodities e isso depende principalmente do cenário internacional. Já os produtos manufaturados dependem de não interromper a atuação no mercado externo, pois sempre existe o risco de não conseguir voltar, já que um concorrente externo pode tomar o lugar. Então, o esforço tem que ser constante. Na avaliação de Flávio Castelo Branco, Secretário-Executivo do Conselho Temático de Integração Nacional e do Conselho Temático de Política Econômica da CNI, a indústria foi perdendo atratividade e gradativamente deixando de olhar para o mercado externo. "Não há sinais claros de desindustrialização, mas temos lacunas como essas que enfraquecem a indústria brasileira", diz.

Para André Luiz Sacconato, mestre e doutor em Teoria Econômica pelo IPE-USP, o gargalo está também em uma mão de obra qualificada. "É muito difícil competir com a China, pois o crescimento do país sacrifica a qualidade de vida dos chineses", diz. "Não temos sinais claros de desindustrialização, mas pode ter um problema sério nos próximos anos".

Veja aqui todas as notícias

Academia completa 10 anos com mais de 3,3 mil alunos atendidos

SESI avalia ergonomia na indústria de Santa Catarina

Setores da indústria começam a sentir desindustrialização

Capacitações aprimoram prática de estágio em SC

Empresários e parlamentares defendem ação pela BR 470

Seminário de inovação e sustentabilidade recebe trabalhos

FIESC tem inscrições abertas para missões empresariais

Trabalhadores já podem se inscrever para o SESI Verão

Oficinas buscam profissionalização de sindicatos

FIESC lança Agenda Legislativa 2011

SENAI oferece pós-graduação em cinco regiões de SC

IEL está com inscrições abertas para cursos EAD

Facebook Twitter Linkedin Flickr

Observatório

Indústria e competitividade

Guia da Indústria FIESC

Saiba mais





Federação das Indústria do Estado de Santa Catarina

Departamento Regional - Fone 48 3231 4100

Rod. Admar Gonzaga 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001

Gerência de Comunicação

Institucional:Elmar Meurer

Edição:Filipe Scotti e Dâmi Radin

Reportagem:Dâmi Radin, Elida Ruivo, Ivonei
Fazzioni e Gabrielle Bittelbrun